COMECE A DIGITAR E PRESSIONE ENTER PARA PESQUISAR
pessoa-agachada-com-maos-no-rosto-preto-e-branco

Depressão: entenda quais são os 5 principais sinais

Desinformação sobre depressão prejudica tratamento

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) 1 de 2015, a depressão é uma doença que afeta 322 milhões de pessoas no mundo todo. Isso equivale a 4,4% da população do planeta. No Brasil, ela afeta 5,8% das pessoas 2, ou 11,5 milhões de brasileiros. Desde 2005, o número de indivíduos  diagnosticados aumentou 18,4%.

Apesar desses números alarmantes, uma parcela significativa da população tem dificuldade de aceitar que a depressão é, sim, uma doença. Essa postura, tanto em relação à depressão quanto aos transtornos de ansiedade (doença que acomete 9,3% dos brasileiros), mascara a dimensão do problema e prejudica o tratamento, por não ser dada a devida atenção.

O tratamento para depressão é feito por meio de acompanhamento psicológico e medicamentos antidepressivos. Em geral, quanto antes for iniciado, mais eficaz o tratamento.

A seguir, listamos 5 sinais que indicam o surgimento da depressão.

1. Desânimo, apatia e tristeza constante

Embora esses sentimentos façam parte da vida de todo ser humano, a situação pode ser considerada fora do normal quando eles persistem por períodos muito longos de tempo, especialmente se não tem causa aparente. De acordo com o Manual de Diagnósticos de Doenças Mentais – 5ª edição (DSM-V) 3, o estado de desânimo pode configurar depressão se for observado durante a maior parte do dia, na maioria dos dias.

2. Alterações no apetite e transtornos alimentares

O apetite de pessoas depressivas também pode ser alterado,  tanto para mais (excesso de apetite) como para menos (falta de apetite).

3. Ideação / pensamentos suicidas

O suicídio é uma das maiores causas de morte no Brasil e no mundo, e frequentemente está relacionado com a incidência de depressão. O Boletim Epidemiológico de Tentativas e Óbitos por Suicídio no Brasil, realizado pelo Ministério da Saúde 4, registrou 62.804 mortes por suicídio entre 2011 e 2016. Além disso, houve 48.204 tentativas contra a própria vida.

Um estudo do Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) 5 averiguou que 90% dos casos de suicídios pesquisados poderiam ser diagnosticados como um quadro de transtorno mental.

4. Sentimento de culpa constante

Embora faça parte das relações humanas, o sentimento de culpa, quando constante e persistente no indivíduo, pode ser um sintoma de depressão, especialmente se não houver uma causa definida que faça com que o indivíduo se sinta desta forma.

5. Alterações do sono

Além dos transtornos alimentares, há uma predominância de distúrbios do sono entre pessoas com depressão: um estudo realizado pela Universidade de Bristol, na Inglaterra 6, indica que aproximadamente 75% dos pacientes depressivos sofrem de insônia.

Também há o sintoma oposto, a hipersônia (excesso de sono), que afeta 40% dos adultos jovens e 10% dos idosos com depressão, com preponderância entre as mulheres.

Ambos os sintomas causam muitos transtornos e afetam a qualidade de vida dos pacientes. O mesmo estudo aponta também que a insônia costuma ser o primeiro sintoma de queixa entre pacientes de depressão, além de ser um dos poucos fatores de risco que comprovadamente podem levar ao suicídio. 7

Além dos cinco citados, há outros sinais que indicam o desenvolvimento do transtorno depressivo maior, como: fadiga, falta de prazer nas atividades diárias, isolamento social, comportamentos autodestrutivos (automutilação), redução do interesse e apetite sexual, agitação e inquietude.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da depressão é feito geralmente em uma consulta com profissional da saúde competente, como um psiquiatra ou psicólogo. Para tanto, são levados em consideração fatores como sintomas manifestados pelo paciente, histórico clínico e familiar. O DSM-V especifica que o indivíduo deve manifestar pelo menos 5 dos sintomas associados à depressão por duas semanas ininterruptamente para ser diagnosticado com transtorno depressivo maior.

Não há nenhum exame laboratorial ou de imagem que possa ser utilizado para constatar a depressão no paciente, embora exames de sangue possam ser utilizados para eliminar outras opções de doenças com sintomas similares.

O tratamento indicado para tratar a depressão é a união entre medicamentos antidepressivos e psicoterapia.

O Centro de Valorização à Vida (CVV) foi desenvolvido pelo Ministério da Saúde para apoiar emocionalmente, de maneira sigilosa e 24h por dia, via e-mail ou telefone, indivíduos que queiram ou precisem de ajuda.

É importante ressaltar, também, que existem clínicas que oferecem atendimento psicológico gratuito visando à prevenção à depressão e outros distúrbios psicológicos. Geralmente, há consultórios em universidades com cursos de Psicologia 9 em que o paciente pode realizar acompanhamento psicológico de graça ou a preços simbólicos.

Você já conhecia os sinais e sintomas que podem indicar o surgimento da depressão? Se este artigo foi útil e ajudou você a compreender melhor essa doença preocupante, compartilhe com seus amigos e família para que eles também tenham acesso a essas informações. E comente se quiser deixar sua opinião ou tiver qualquer dúvida.

Referências

  1. OMS (WHO). Depression: Let’s Talk. Disponível em http://www.who.int/mental_health/management/depression/en/. Acesso em 10/2018
  2. G1. Depressão cresce no mundo, segundo OMS; Brasil tem maior prevalência da América Latina. 23/02/2017. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/noticia/depressao-cresce-no-mundo-segundo-oms-brasil-tem-maior-prevalencia-da-america-latina.ghtml. Acesso em 11/2018
  3. The American Psychiatric Association – Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM–5). 2014 – Editora Artmed
  4. Brasil – Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico Suicídio. Volume 48 N° 30 – 2017.
  5. BOTEGA, J. N. Comportamento suicida: epidemiologia. Psicologia USP, 2014 I volume 25 I número 3 I 231-236.
  6. NUTT, D. et. al. Sleep disorders as core symptoms of depression. Dialogues Clin Neurosci. 2008 Set; 10(3): 329–336.
  7. AGARGÜN MY., et. al., Sleep disturbances and suicidal behavior in patients with major depression. J Clin Psychiatry. 1997 Jun;58(6):249-51.
  8. Centro de Valorização à Vida – CVV. Disponível em: https://www.cvv.org.br/. Acesso em 11/2018
  9. CATRACA LIVRE. Saiba onde encontrar atendimento psicológico grátis em São Paulo. Disponível em: https://catracalivre.com.br/saude-bem-estar/saiba-onde-encontrar-atendimento-psicologico-gratis-em-sao-paulo/. Acesso em 11/2018.

About the Author :

Deixe um comentário