COMECE A DIGITAR E PRESSIONE ENTER PARA PESQUISAR

Farmacogenética
Antirretroviral

Mais uma ferramenta nas terapias anti HIV

HIV, Antirretrovirais e Farmacogenética


O HIV é um vírus que infecta células de defesa no sangue do hospedeiro, levando ao surgimento da Síndrome da Imunodeficiência adquirida (AIDS) em seus portadores. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou, desde 1980, mais de 800 mil casos de infecção por HIV. A cada ano, em média, 40 mil novos casos são notificados.

Infelizmente, ainda não existe vacina tampouco cura para a infecção, porém, atualmente, já estão disponíveis diversas opções terapêuticas tanto para tratamento quanto para profilaxia pré e pós exposição. Dentre estas opções, destaca-se a classe dos inibidores de protease, como atazanavir e ritonavir, elencados pelo Ministério da Saúde como segunda linha de tratamento em diversos casos.

Estes medicamentos podem causar diferentes graus de efeitos adversos. Dentre eles, o mais observado é a bilirrubinemia, quadro em que o paciente possui excesso de bilirrubina circulante no sangue. Isso é causado porque tanto o medicamento quanto a bilirrubina são metabolizados pela mesma enzima: a UDP-glicuronosiltransferase, codificada pelo gene UGT1A1, de modo que há diversos estudos que apontam a relação entre variações neste gene e a ocorrência deste quadro.

Referências:
RIBAUDO HEATHER J et al. Impact of UGT1A1 Gilbert variant on discontinuation of ritonavir-boosted atazanavir in AIDS Clinical Trials Group Study A5202. The Journal of Infectious Diseases. 2013 Feb 1;207(3):420-5
BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS 2017. 

Segurança e Confiabilidade


Nosso laudo é uma ferramenta poderosa na hora da definição da terapia, tanto para selecionar o fármaco quanto sua dose. Estas recomendações são baseadas em diretrizes estabelecidas por consórcios internacionais que compilam e organizam os mais recentes e confiáveis estudos da área da Farmacogenética.

Análise Farmacogenética para Antirretrovirais

  • Metodologia: PCR Tempo Real
  • Genotipagem do gene UGT1A1
  • Amostra: sangue (não precisa de preparo)
  • Cobertura pelo convênio: informe-se com seu provedor

Conheça nossos demais paineis de Farmacogenética