COMECE A DIGITAR E PRESSIONE ENTER PARA PESQUISAR
vikings-invasores

Arqueólogos e geneticistas divergem sobre presença viking na Inglaterra

A civilização viking foi protagonista em muitos dos conflitos que marcaram o instável quadro político-militar europeu após a queda do Império Romano do Ocidente.

Sua história é marcada por constantes invasões, confrontos e batalhas por terras. Esses povos habitaram o Norte da Europa entre os séculos VIII e XI, ficando conhecidos por serem exímios navegantes, e também responsáveis por inúmeros saques realizados em diversos locais da Europa Medieval.

Estudos arqueológicos trazem evidências de que, na Inglaterra, os vikings invadiram, saquearam e, consequentemente, reinaram sobre uma grande parte do que hoje conhecemos como Inglaterra moderna. Estudos de diversidade genética fornecem  dados adicionais para validar tais evidências arqueológicas da expansão viking. Além disso, indicam padrões de ancestralidade, novas rotas de migração, e mostram o fluxo real de indivíduos entre regiões díspares.

As evidências genéticas contradizem a percepção comum de que os vikings eram principalmente piratas e saqueadores. Um artigo de Roger Highfield (jornalista científico do Science Museum) resumiu pesquisas recentes e concluiu que, como marcadores genéticos masculinos e femininos estão presentes, a evidência é indicativa de colonização – ao invés  de invasão e ocupação. No entanto, isso também pode ser contestado com base em dados genéticos que indicam que mais homens se estabeleceram do que mulheres, o que caracterizaria uma população atacante ou ocupante.

Mas será que podemos mensurar a população de vikings dinamarqueses que migrou para o oeste e se estabeleceu em ilhas britânicas?

No ano de 2015, o projeto “O povo das Ilhas Britânicas” combinou uma amostragem local de DNA com análises de dados inovadoras para gerar um levantamento da estrutura genética da Grã-Bretanha em detalhes sem precedentes, o que gerou uma grande discussão entre cientistas especializados em genética e arqueólogos. Após chegarem à conclusão de que os Vikings (provenientes da Dinamarca) possuíam uma influência “relativamente limitada” sobre os britânicos, os vestígios arqueológicos e documentos históricos do período se tornaram uma grande contradição.

“Não vemos evidências genéticas claras da ocupação e controle dinamarquês dos vikings em grande parte da Inglaterra”, escreveram os cientistas do estudo publicado na revista científica Nature em 2015.

Após essas declarações, um novo estudo reacendeu esse debate, declarando que entre 20.000 e 35.000 vikings se mudaram para a Inglaterra na época. Os arqueólogos se manifestaram logo depois, alegando que os geneticistas cometeram um erro grave na análise.

“Não achamos que a análise do estudo da natureza dos Vikings dinamarqueses esteja correta. Nós pensamos que eles interpretam incorretamente o material do DNA e que eles não levam em conta todas as descobertas arqueológicas e o conhecimento que historiadores e arqueólogos reuniram sobre os vikings dinamarqueses na Inglaterra ”, disse a co-autora Jane Kershaw, uma arqueóloga e Pesquisadora, no University College London.

O que podemos afirmar é que, ao longo de dois séculos, houve uma migração intensa de escandinavos para as ilhas britânicas. Fazendeiros, artesãos e comerciantes colonizaram o norte e o oeste da Inglaterra, junto com guerreiros que decidiram se estabelecer por lá. Motivos não faltavam: além de uma elite nórdica que estimulava esse fluxo, o solo inglês era mais fértil que o escandinavo, e o clima, naturalmente mais ameno, passava por um período mais quente que o atual.

Danelaw: a região da colônia viking ocupou metade da ilha e deixou marcas profundas na cultura britânica. Fonte da imagem: Revista Superinteressante

Fontes genéticas arqueológicas se os dois estudos se contradizem inteiramente?

O estudo sobre as populações britânicas não indica o número exato de vikings que vieram para a Inglaterra, apenas estima os dados. Eles simplesmente relatam uma “entrada relativamente limitada de DNA dos vikings dinamarqueses”.

“Não estamos dizendo que não há DNA dos vikings dinamarqueses na população britânica – apenas dizemos que os vikings dinamarqueses não deixaram um sinal significativo.  Os anglo-saxões deixaram um sinal claro de DNA, mas os vikings não o fizeram ”, diz Peter Donnelly, principal autor do estudo da Nature e diretor do projeto People of the British Isles, que forneceu os dados genéticos para o estudo.

“Não tenho certeza de que nos contradizemos – é tudo apenas uma questão de números”, diz ele. “Mesmo se 25.000 Vikings dinamarqueses se mudassem para a Inglaterra no período, eles ainda representariam apenas uma pequena parte da população total do Reino Unido. Por exemplo, se a população britânica na época fosse de 500.000 pessoas nas áreas ocupadas pelos vikings, então os vikings dinamarqueses ainda representariam apenas 5% da população ”, diz Donelly à revista Nature.

“Mas também não vemos sinal dos normandos, por exemplo, apesar de terem invadido e assumido o Reino Unido. Eles não tiveram filhos suficientes com os locais para deixar um sinal genético claro hoje. A única migração para a Grã-Bretanha desde a época de Cristo, que deixou um claro sinal genético, é dos anglo-saxões ”, diz ele.

Ellen Royrvik, geneticista da Universidade de Warwick, no Reino Unido, que foi uma das coautoras do estudo de 2015, afirma que o estudo da Nature interpreta erroneamente os dados.

“Com base na análise do estudo da Nature, não acho que possamos dizer que os anglo-saxões tenham tido um impacto significativo no DNA britânico moderno e que o  vikings dinamarqueses não tenham”, diz ela.

Vikings foram extremamente influentes entre outras civilizações

“É extremamente provável que nunca saberemos quantas pessoas mudaram da Dinamarca Viking para a Inglaterra. E mesmo que os vikings dinamarqueses não deixassem uma marca genética significativa, eles certamente deixaram um impacto cultural.”, escreve o Arqueólogo Ashby.

“Para ser honesto, não acho que contar o número de colonos seja uma questão muito interessante por si só. O que está claro é que, por mais numerosos que fossem, os colonos escandinavos tinham um enorme impacto na sociedade e na cultura do que viria a ser a Inglaterra séculos depois do ocorrido.”, escreve ele, para o site sciencenordic.com.

O frio, a incerteza e as adversidades moldaram essa civilização incrível e selecionaram “os melhores” por milênios. Não é por mero acaso que as sociedades nórdicas atuais se destaquem tanto.

O visual dos vikings também foi algo bastante influenciável para os Ingleses, assim como os nomes próprios. Meninas chamadas Thora e Grunnhild, e meninos com nomes Halfdan ou Harald tornaram-se comuns entre ingleses, mesmo entre aqueles que não viviam no Danelaw. Centenas de cidades como Selby, Whitby, Derby e Rugby têm o sufixo “by”, que em nórdico antigo significa “aldeia”. Os colonos rapidamente adotaram a língua inglesa, mas introduziram diversas palavras nórdicas que sobrevivem até hoje. Sky (céu), window (janela), earl (conde, uma herança do nórdico jarl) e happy (feliz) são contribuições escandinavas, assim como termos que lembram a atividade viking, como anger (ira), die (morrer) e slaughter (massacre), mas também lei, law. A conversão do politeísmo nórdico para o cristianismo foi questão de tempo, processo que gerou um sincretismo temporário: lápides e monumentos misturavam crucifixos cristãos com runas e figuras mitológicas escandinavas.

Referências

  1. Population Genetics – People of the British Isles. Disponível em: https://peopleofthebritishisles.web.ox.ac.uk/population-genetics. Acesso em 02/2019.
  2. Science Nordic – New Study Reignites debate over viking settlements in England. Disponível em: http://sciencenordic.com/new-study-reignites-debate-over-viking-settlements-england. Acesso em 02/2019

Sobre o autor:Grupo Genera

2 Comentário
    1. Grupo Genera

      Olá, Israel! Ficamos feliz que tenha gostado do texto. Caso tenha outras dúvidas, entre em contato com nossa Central de Atendimento.

Deixe um comentário